Pular para o conteúdo principal

O livro da Jout Jout, a vlogueira Julia Tolezano



Essa imagem de felicidade da Jout Jout representam tão bem a essência do seu livro. Apesar dele se tratar, de maneira generalizada, de recordações, Jout Jout me envolveu de uma forma reconfortante onde sentimos aquele alívio quando nos deparamos por meio de uma de suas crises as nossas crises entre as linhas. Esse livro me fez um bem tão grande que me senti no dever de compartilhá-los com vocês para que mais pessoas entendam que tá todo mundo mal e tá tudo bem estar assim. Momentos como esse fazem parte dos nossos processos.

Se você não faz ideia de quem eu estou falando no título da publicação, não se preocupa que eu te apresento esse ser maravilhoso e cheio de luz. Julia Tolezano é uma influenciadora mais conhecida pelo seu canal do Youtube chamado JoutJout Prazer. Ela chama a atenção pela sua autenticidade e sua opinião. Os vídeos em seus canais são bem intimistas e falam sobre os mais diversos assuntos da vida de forma leve e clara. Eles geralmente são gravados em sua casa envolvendo seu namorado Caio e seus amigos. É uma conversa que te faz aprender a ser uma pessoa melhor tanto para você próprio quanto para outras pessoas ao teu redor. Eu ainda tô devendo essa seleção dos melhores vídeos dela e pretendo publicar aqui. Estou ainda no processo de assistir todos os seus vídeos pra poder escolher de forma justa.

Como hoje nosso papo é sobre seu livro, deixa eu te apresentar primeiro:


Título: Tá todo mundo mal - O livro das crises
Autora: Jout Jout
Editora: Companhia das Letras | Ano: 2016 | Páginas: 200
Sinopse: Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em Tá todo mundo mal, ela reuniu as suas “melhores” angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, “Jout Jout, Prazer”. Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!
Compre o livro Tá todo mundo mal clicando aqui.

Resenha

Ultimamente eu tenho criado esse gosto por leitura de pessoas influentes como a Jout Jout contando um pouco da sua vida. Esse não é o primeiro livro que eu leio na categoria de biografia de um autor. Já li o da Shonda Rhimes e o da Chimamanda Ngozi Adichie. Todos eles são bastante intimistas, mas principalmente o da Julia. Pra quem a acompanha de outros trabalhos como eu, que era fã da Julia no passado e a seguia em quase todas as suas redes sociais, eu já estava ciente que o livro seria como estar assistindo seus papos em seu canal do YouTube.

A leitura é bastante divertida e, acredito eu, que quase todas as pessoas que leram as suas crises se identificaram com algumas ou muitas. Eu gosto tanto de ter esse contato, mesmo que distante, com ela por que eu sempre senti - desde a minha adolescência - que a sua opinião tinha bastante lógica e o jeito como ela conseguia tratar tão bem esses assuntos sérios em seu canal de uma forma leve e direta me faziam a admirar imensamente. Eu queria ter essa leveza da Julia. Eu sempre gostei dela e também de como a Julia consegue desconstruir pensamentos negativos que infelizmente temos por que nos foram ensinados assim.

Na adolescência há um longo processo entre refletirmos sobre nossos gostos e nossos pensamentos. Chegamos a nos questionar sobre determinado assunto que nos foi ensinado de alguma maneira nossos teus pais, amigos ou pessoas próximas até decidirmos se queremos continuar seguindo esse pensamento ou pensar de forma diferente. Pessoas como a Julia e outros influenciadores dessa época de 2010 pra cá fizeram uma importante parte na minha vida e na construção do meu caráter, dos meus pensamentos... Tudo aquilo que eu sou e concordo.



E assim me vejo novamente neste processo por meio das crises, pensamentos e fatos ocorridos com a Julia. Crises essas que não são só delas, mas minhas, suas, de milhares de pessoas. Com esse livro, Julia mostra a importância das nossas crises na formação da nossa identidade. Ela diz que tá tudo bem você não estar bem. Nós somos inconstantes. Temos momentos felizes e tristes assim como todos e, mesmo sabendo disso, nós mantemos esse costume terrível de esconder sentimentos ruins como quando estamos chateados, deprimidos ou insatisfeitos. E, além disso, estamos sempre tentando fugir deles. É uma busca eterna pela felicidade, pensando de forma inconsciente que é só isso que importa.

As reflexões que estão no livro são desde a adolescência até uma idade em que nos encontramos jovens adultos. São questões sobre comportamento, aparência e relacionamentos que parecem ser triviais mas que nos tocam profundamente. Eu já estava nessa fase de autoconhecimento nesse isolamento e o seu livro me despertou ainda mais a repensar em alguns pontos que dou tanta ênfase, mas quando pensei bem sobre o assunto ele não era tão significante e não fazia sentido que me incomodar.

Resumindo

Esse livro me tornou mais ciente de alguns momentos que passei e me fez enxergá-los de uma forma diferente. Jout Jout tem uma escrita incrível, divertida e que nos faz sentir tão confortáveis como se fosse aquele papo de bar que você é 100% aberto a contar suas experiências e ouvir as de outra pessoa. É sensacional como seu jeitinho despojado nos faz querer muito ser sua amiga ou fazer parte da sua grande família Jout Jout. O livro tem toda a sua essência. Nossa, eu indico demais a leitura desse livro. Você vai dar boas risadas e também vai se emocionar. Admiro demais o trabalho dessa mulher maravilhosa e não poderia ser diferente minha apreciação com seu livro. Leiam já!!!

Avaliação

★★★★☆ (4/5)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A nova tendência do cabelo descolorido e suas variações

Eu tô chocada que eu tô criando muita publicação no blog sobre Moda & Beleza que não é da minha essência. Quer dizer, eu acho lindo e adoro acompanhar, mas quase nunca crio coragem pra meter a cara e tentar fazer alguma dessas coisas que eu idolatro. Será que eu vou mudar isso futuramente? É uma mudança bem radical a gente descolorir o cabelo e, por exemplo, mudar algo que era preto para loiro. Já observei muito essas mudanças radicais entre pessoas influentes como artistas e queria compartilhar com vocês esse estilo que eu tô admirando bastante ultimamente.

A artes digitais absurdamente belas de Tati MoonS

Minha gente, eu descobri esse perfil do instagram por meio do twitter e eu fiquei sem fôlego com o tamanho do talento desta garota chamada Tatiana (auto-retrato na foto acima) com nome artístico de Tati MoonS. Ela é uma artista digital espanhola e dona dessas artes que estou prestes a apresentar a vocês.

As makes coloridas de Euphoria para se inspirar

E aí, meus queridos. Eu fiz justamente a publicação anterior falando sobre a série Euphoria para comentar algo que provavelmente vai marcar esta geração. Como eu falei na publicação sobre a série, além da estória em si a mesma também se destacou na parte visual tanto com a filmografia quanto os looks dos personagens, os cenários e as maquiagens. E como eu fiquei apaixonada, doida pra tentar refazer essas maquiagens e falhar, eu decidi apresentar esse trabalho incrível das principais maquiadoras e responsáveis por essas obras de arte. No caso são Doniella Davy e Kirsten Coleman, que eu já deixei o instagram pra vocês seguirem e acompanharem o trabalho delas.

Séries da Netflix: The Umbrella Academy

E aí, amiguinhos. Ontem, em plena sexta-feira, estreou a nova temporada dessa série queridíssima não só por mim, mas por vários outros seriadores. Como The Umbrella Academy é da Netflix, todos episódios da segunda temporada estavam disponíveis e eu sextei da melhor maneira não é, maratonando tudo em um dia. Sonho de princesa. É uma coisa maravilhosa, mas também pode ser um tremendo erro. Eu terminei de assistir tudo, fiquei na vontade de assistir mais e vou ter que esperar sabe-se lá quantos meses ou anos (a dramática). Percebi que ainda não tinha falado dela com vocês aqui, por isso estamos batendo esse papo.

Vesgo: Músicas mixadas com aquele toque especial do brasileiro

E aí, meus queridos. Ultimamente estive animada para indicar coisas aqui no blog e aproveitando que conheci recentemente essa obra de arte presente no YouTube hoje a indicação é do canal de músicas chamado VESGO que tem uma leve semelhança do VEVO. Será que foi coincidência ou proposital? O idealizador do canal se chama Erickon Fox (foto abaixo). O canal existe desde 2015 e já conta com mais de 1 milhão de inscritos e mais de 233 milhões de visualizações em todos os vídeos. Sucesso que chama, né? Eu conheci esse canal após um vídeo de uma garota dançando a música Blinding Lights de The Weeknd na versão Os Barões da Pisadinha bombar na internet. Tais ligado na dança, né? Eu só fiquei como ela quando descobri esse canal show. Eu já amo músicas mixadas por vida, também amo música internacional e nosso som nacional aí pegando essa mistura de tudo o que eu gosto só deu em paixão à primeira visualização.