Pular para o conteúdo principal

Série: Orphan Black



Eu não sei nem como começar essa publicação. Primeiro eu quero que vocês se preparem por que esta sim é uma série digna de se acompanhar toda semana. Orphan Black conta a história de Sarah, uma órfã que foi criada nas ruas. Após testemunhar o suicídio de uma mulher muito parecida com ela, Sarah decide assumir sua identidade. A falecida era uma detetive da polícia que atua no departamento de assuntos internos. Vivendo sua vida, Sarah descobre que ela e a falecida são, na verdade, clones que um assassino profissional está determinado a eliminar. Assista o trailer abaixo para entender melhor:



Orphan Black é uma série canadense de ficção científica criada por Graeme Manson e John Fawcett. É uma co-produção entre BBC America e a emissora canadense Space. Todos clones são protagonizados pela linda da Tatiana Maslany (sou fã ♥). Os clones principais - e também meus preferidos - são:



Sarah é um clone de origem inglesa. Ela é uma orfã rebelde e punk que está tentando melhorar suas condições de vida para ter a custódia de sua filha Kira, mas Sarah tenta se estabelecer financeiramente de forma ilegal - traficando drogas - e por isso a Sra. S, mãe adotiva da Sarah, não permite que Kira viva com sua mãe. A vida de Sarah muda após ela descobrir que é um clone.

Cosima é um clone de origem americana. Ela é estudante e está concluindo seu doutorado em biologia evolutiva do desenvolvimento experimental. Cosima também é lésbica, tatuada, excêntrica e tem uma mente científica genial, ou seja, ela é a mais nerd. Ela tenta descobrir, além da sua verdadeira origem, a cura de uma doença respiratória que é causada nos clones.

Alison é um clone de origem canadense. Ela é uma típica "dona de casa", casada com seu namorado do colégio Donnie e com dois filhos adotados. Alison sabe disparar uma arma e é um pouco paranóica. Por ser uma mãe e esposa dedicada Alison teme pela segurança de sua família, pois o fato de ser clone coloca ela e as pessoas ao seu redor em risco de morte.

Helena é um clone de origem ucraniana-inglesa. Ela é irmã gêmea da Sarah e inicialmente conhecida como a maníaca matadora de clones. Isso é por que Helena foi induzida a acreditar que ela era o original entre os outros clones. Ela foi treinada para ser uma assassina de clones. Ela é temida por todos os outros clones (e inclusive por nós - os espectadores -, mas aposto você vai amá-la).



Depois de tanto spoiler em apenas um post eu só acho que você deveria já estar indo assistir essa série linda, confere? Se você já acompanha ou pretende acompanhar, por gentileza, me conte!

Postagens mais visitadas deste blog

A nova tendência do cabelo descolorido e suas variações

Eu tô chocada que eu tô criando muita publicação no blog sobre Moda & Beleza que não é da minha essência. Quer dizer, eu acho lindo e adoro acompanhar, mas quase nunca crio coragem pra meter a cara e tentar fazer alguma dessas coisas que eu idolatro. Será que eu vou mudar isso futuramente? É uma mudança bem radical a gente descolorir o cabelo e, por exemplo, mudar algo que era preto para loiro. Já observei muito essas mudanças radicais entre pessoas influentes como artistas e queria compartilhar com vocês esse estilo que eu tô admirando bastante ultimamente.

A artes digitais absurdamente belas de Tati MoonS

Minha gente, eu descobri esse perfil do instagram por meio do twitter e eu fiquei sem fôlego com o tamanho do talento desta garota chamada Tatiana (auto-retrato na foto acima) com nome artístico de Tati MoonS . Ela é uma artista digital espanhola e dona dessas artes que estou prestes a apresentar a vocês.

As ilustrações maravilhosas da Nath Araújo

Nathalye Araújo, mais conhecida por Nath, é escritora da famosa websérie PQOGSPN?! da qual eu já apresentei no blog ( clique aqui para conhecer ). Ela mora em São Paulo e é formada em Publicidade e Propaganda. Além do seu talento na escrita, stalkeando ela um pouquinho, eu descobri que Nath também é desenhista! Olha só: Ilustrações muito das lindas, concorda? E atualmente Nath fez uma parceria com a Colab55 - esse site incentiva a compra de produtos exclusivos utilizando as ilustras de artistas independentes. Já imaginou que delícia poder escolher a ilustração e o produto? Não é todo dia que temos esse privilégio quando vamos comprar algo, nééé?! Tem camisa, caderninho, quadro, bolsa, almofada, capa de celular e por aí vai... Confira o trabalho dela na Colab55 ! Curtiu a indicação? Acompanhe-a nas redes sociais: Facebook , Instagram e Twitter . Xêros!

As makes coloridas de Euphoria para se inspirar

E aí, meus queridos. Eu fiz justamente a publicação anterior falando sobre a série Euphoria para comentar algo que provavelmente vai marcar esta geração. Como eu falei na publicação sobre a série , além da estória em si a mesma também se destacou na parte visual tanto com a filmografia quanto os looks dos personagens, os cenários e as maquiagens. E como eu fiquei apaixonada, doida pra tentar refazer essas maquiagens e falhar, eu decidi apresentar esse trabalho incrível das principais maquiadoras e responsáveis por essas obras de arte. No caso são Doniella Davy e Kirsten Coleman , que eu já deixei o instagram pra vocês seguirem e acompanharem o trabalho delas.

Resenha: A Barraca do Beijo de Beth Reekles

Desde que a Netflix lançou o segundo filme da Barraca do Beijo apareceram tweets na minha linha do tempo do perfil do blog com comentários negativos que me deixaram curiosa para entender o que estava acontecendo. Essas críticas envolviam os personagens principais do filme e suas atitudes tóxicas e machistas, coisas essas que eu não tinha percebido quando assisti os filmes. Mais uma coisa que eu não sabia e que eu só fiquei sabendo nesse exato momento que estou escrevendo pra vocês é que o livro A Barraca do Beijo foi feito por uma cientista. Beth Reekles, a autora do livro, é uma garota de exatas, formada em Física pela Exeter University. Mas nas horas vagas ela gosta de ler e escrever no Wattpad. O livro fez tanto sucesso nessa plataforma com mais de 19 milhões de acessos e 40 mil comentários, além de vencer o Prêmio Watty de Ficção Adolescente mais popular que eu entendi tudo. A senhora Netflix não ia deixar essa oportunidade passar batido, não é mesmo?