Pular para o conteúdo principal

Quem sobrevive no final da terceira temporada da série Dark?


Aviso: Abaixo contém spoilers da série.

Acho que a maioria que assistiu Dark ficou querendo aquele final feliz entre Martha e Jonas. Acredite, eu compartilho da sua dor. Eles são um par perfeito. Nunca duvide disso. Mas algo que me deixou bem curiosa com o mundo original, seria saber quais foram personagens continuaram no mundo de origem e, pra sabermos isso, precisamos entender as relações entre cada personagem. Na cena final (foto acima) observamos vivos Katharina Albers, Peter Doppler e Bernadette Woller, Regina Tiedemann, Torben Woller e Hannah Kruger.

Mas e o restante do elenco? O que será que aconteceu com eles? Vou montar uma teoria lógica de acordo com as informações fornecidas durante a série pra entender quem nunca deveria ter existido e quem continuou, mesmo com o fim dos dois mundos de Adam e Eva. Pra conseguirmos esse desfecho precisamos entender a árvore genealógica de Dark. Por exemplo, aqueles personagens que foram frutos de relações de pessoas do futuro com pessoas do passado com certeza estão excluídos do mundo de origem, por que nesse mundo nunca existiu a viagem no tempo. E o resultado é triste, viu? Chega fiquei chateada em compartilhar depois que me dei conta do que rolou, mas vamos lá:
Peguei esse infográfico belíssimo do site da UOL e saí colocando o X nos personagens que nunca existiram e e vou explicar o motivo. Como vocês sabem o mundo A e o mundo B são similares e independente do tempo, as mesmas coisas acontecem nos dois mundos. Por isso eu vou resumi-los em só um já que têm os mesmos personagens e mesmos acontecimentos.


Família Kahnwald

Por Mikkel (ou Michael, por que são os mesmos personagens) não ter viajado para o passado nesse mundo de origem consequentemente ele nunca teve relações com Hannah e, dessa forma, Jonas (ou Adam, por que são os mesmos personagens) nunca nasceram. Jonas não nascendo o mesmo não teve relações com Martha do Mundo B e a mesma não ficou grávida do filho sem nome, o Desconhecido.


Família Nielsen

Hannah não viajou pro passado e teve relações com Egon, logo Silja nunca existiu e consequentemente seus filhos Hanno (ou Noah, por que são os mesmos personagens) e Agnes. Agnes não teve relações com Desconhecido e por isso Tronte nunca existiu. Tronte não teve relações com Jana e, sendo assim, não tiveram seus filhos Ulrich e Mads. Se Ulrich nunca existiu, ele nunca teve seus filhos Martha, Magnus e Mikkel com Katharina. Essa me doeu.


Família Tiedemann

A família Tiedemann permanece intacta visto que não tiveram nenhuma interferência das viagens no tempo. Logo continuam existindo Doris e Egon que tiveram Claudia, Claudia se envolveu com Bernd e teve Regina e, por fim, Boris e Regina tiveram seu filho Bartosz.


Família Doppler

Greta e Bernd tiveram Helge. Helge com outra mulher que não foi citada na série teve seu filho Peter. Peter segue no mundo de origem com um relacionamento com a garota de programa transexual Bernadette Woller. Como Charlotte na realidade é fruto de um relacionamento com Noah que viajou para o futuro e sua própria filha Elizabeth, ela nunca existiu. Sendo assim, Charlotte nunca teve um relacionamento com Peter e eles não tiveram as filhas Franziska e Elizabeth.

E também, pelo enredo sabemos que H.G. Tannhaus foi o causador de toda essa confusão. Ele tentou viajar no tempo pra salvar seu filho, sua nora e sua neta de um acidente de carro, mas acabou destruindo o próprio mundo e criando os mundos A e B. A família foi salva desse acidente por Martha e Jonas.

O que restou disso tudo no mundo atual foram exatamente os que apareceram no final da série sendo Hannah, Katharina, Regina, Peter, Bernadette e Torben. Quem não apareceu nessa cena, mas ainda existe é Bartosz e seu pai Boris. Pesado, não é? Mas aí a série ainda nos dá a ilusão de final feliz com Hannah grávida de Torben pensando em colocar o nome do seu filho de Jonas e continuando essa lógica Katharina futuramente teria os mesmos filhos com outro personagem e colocaria os mesmos nomes Martha, Mikkel e Magnus que nos dá um sentimento de esperança e, especialmente pros românticos, que independente das nossas ações o futuro sempre dá um jeito de encontrarmos nossa pessoa amada. Sou team Martha e Jonas demais então me agarro a essa teoria fortemente. É isso, amores. Espero que tenham gostado do meu resumo sobre o fim dessa série maravilhosa. Beijo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A nova tendência do cabelo descolorido e suas variações

Eu tô chocada que eu tô criando muita publicação no blog sobre Moda & Beleza que não é da minha essência. Quer dizer, eu acho lindo e adoro acompanhar, mas quase nunca crio coragem pra meter a cara e tentar fazer alguma dessas coisas que eu idolatro. Será que eu vou mudar isso futuramente? É uma mudança bem radical a gente descolorir o cabelo e, por exemplo, mudar algo que era preto para loiro. Já observei muito essas mudanças radicais entre pessoas influentes como artistas e queria compartilhar com vocês esse estilo que eu tô admirando bastante ultimamente.

A artes digitais absurdamente belas de Tati MoonS

Minha gente, eu descobri esse perfil do instagram por meio do twitter e eu fiquei sem fôlego com o tamanho do talento desta garota chamada Tatiana (auto-retrato na foto acima) com nome artístico de Tati MoonS . Ela é uma artista digital espanhola e dona dessas artes que estou prestes a apresentar a vocês.

As makes coloridas de Euphoria para se inspirar

E aí, meus queridos. Eu fiz justamente a publicação anterior falando sobre a série Euphoria para comentar algo que provavelmente vai marcar esta geração. Como eu falei na publicação sobre a série , além da estória em si a mesma também se destacou na parte visual tanto com a filmografia quanto os looks dos personagens, os cenários e as maquiagens. E como eu fiquei apaixonada, doida pra tentar refazer essas maquiagens e falhar, eu decidi apresentar esse trabalho incrível das principais maquiadoras e responsáveis por essas obras de arte. No caso são Doniella Davy e Kirsten Coleman , que eu já deixei o instagram pra vocês seguirem e acompanharem o trabalho delas.

O livro da Jout Jout, a vlogueira Julia Tolezano

Essa imagem de felicidade da Jout Jout representam tão bem a essência do seu livro. Apesar dele se tratar, de maneira generalizada, de recordações, Jout Jout me envolveu de uma forma reconfortante onde sentimos aquele alívio quando nos deparamos por meio de uma de suas crises as nossas crises entre as linhas. Esse livro me fez um bem tão grande que me senti no dever de compartilhá-los com vocês para que mais pessoas entendam que tá todo mundo mal e tá tudo bem estar assim. Momentos como esse fazem parte dos nossos processos.

Resenha: A Barraca do Beijo de Beth Reekles

Desde que a Netflix lançou o segundo filme da Barraca do Beijo apareceram tweets na minha linha do tempo do perfil do blog com comentários negativos que me deixaram curiosa para entender o que estava acontecendo. Essas críticas envolviam os personagens principais do filme e suas atitudes tóxicas e machistas, coisas essas que eu não tinha percebido quando assisti os filmes. Mais uma coisa que eu não sabia e que eu só fiquei sabendo nesse exato momento que estou escrevendo pra vocês é que o livro A Barraca do Beijo foi feito por uma cientista. Beth Reekles, a autora do livro, é uma garota de exatas, formada em Física pela Exeter University. Mas nas horas vagas ela gosta de ler e escrever no Wattpad. O livro fez tanto sucesso nessa plataforma com mais de 19 milhões de acessos e 40 mil comentários, além de vencer o Prêmio Watty de Ficção Adolescente mais popular que eu entendi tudo. A senhora Netflix não ia deixar essa oportunidade passar batido, não é mesmo?